quinta-feira, 24 de julho de 2008

O forte paga um preço por sua força.

Certas datas realçam sentimentos pré-existentes. Tem gente que fica melancólica no Natal. Eu fico em aniversários. Não é triste exatamente. Eu fico feliz com os cumprimentos, principalmente quando são além do esperado ou de alguém não esperado. Parece que minha melancolia vem de muito tempo atrás, lembranças que a cada 24 de julho vêm à tona. Até que chega a noite, o dia passa, e me vejo aqui. Sentada nesse computador como sempre, em casa largada o dia todo, vivendo a minha vidinha. Pensando demais, ou minhocando demais, ou fantasiando demais...

No meu aniversário de 10 anos, exatamente no dia 24 de julho, eu perdi meu avô, e pra mim foi um choque muito grande, uma quase depressão, um ataque de nervos aos 10 anos, e há quem pense que é estranho ou exagero, mas pra mim ele não era só 'o pai do meu pai' como tantos avôs são pra os seus netos, ele era o meu avô, o meu! Tão significante quanto meu próprio pai.

Logo após a morte dele, eu escrevi um texto chamado "eu sou forte". Ainda me lembro de alguns trechos, e um deles eu nunca esqueço, dizia: "Sou forte. E serei forte para ficar de pé quando todos a minha volta desabarem". Durante anos aquelas palavras me guiaram, me mantiveram em pé quando vinha a vontade de cair, a cada 24 de julho, ano após ano.

E 'hoje' é ele que me faz aguentar a barra enquanto olho ao lado e vejo pessoas que sempre julguei mais fortes que eu, caidas. Eu estou de pé, porque sempre fui forte nos momentos mais difíceis da minha vida, quando perdi amizades, quando errei, quando erraram comigo. Mas essa couraça não me faz indestrutível, minha força não me deixa imune a tristeza; E muitas vezes quem me julgava mais forte foi quem me feriu no ponto mais fundo da minha alma, no meu ponto fraco, literalmente.

(É horrível quando as pessoas pensam que força é a mesma coisa que imunidade às coisas tristes. Sou forte, mas sou facilmente atingida. Mas finjo que não.)

Muitas vezes senti na carne a dor sem direito a protesto, muitas vezes transformei a minha tristeza em raiva, porque para o forte é bem mais fácil administrar a raiva. Ela é um sentimento amigo do forte, bem mais fácil de lhe dar do que a mágoa.

Eu pago o preço pela minha força quando me sinto triste. Eu pago um preço por não querer dizer "sou frágil, me proteje", por ser um tigre e não um bicho ferido na chuva, eu pago esse preço doloroso sem me lamentar das minhas escolhas, mesmo quando elas mostram ser um total engano. Jamais direi que fiquei num beco sem saída, que agi como impulso pela vontade dos outros, o que faço é pela minha vontade e nunca vou culpar ninguém por nenhuma atitude minha.

(O bom é quando se tem duas ou três pessoas com as quais você pode ser aquele bicho ferido na chuva e não o tigre que atravessa as correntezas.)

O covarde não consegue olhar nos olhos de um forte, e aquele que não encara o forte nos olhos é o que tem a capacidade de feri-lo pelas costas.

E esse texto todo não é um lamento, não é pra causar pena. É só um desabafo, porque eu estive muito triste tempos atrás, mas novamente estou sobre meus pés, e, sinceramente, me sinto hoje mais forte que antes.

Covardia fere, mas não mata. E aquilo que não me mata, me faz mais forte.


All in this life pass, but you are forever.

15 comentários:

Vanessa disse...

Aquilo que não te mata, te fortalece. Com certeza.

Ano passado, foi um ano sofrido pra mim. Chorei muito, sofri muito e me julguei fraca. Mas no final das contas, eu fui forte o suficiente pra levantar e hoje está aqui de sorriso aberto.

Eu sei que a lembrança de hoje não deve sr muito boa pra você, deve está havendo uma melancolia aí dentro. E sabe de uma ? Permita-se senti-la...seja forte como é pra absorver toda dor, toda lágrima e depois joga-la fora. Você tem todo esse direito.
As vezes a gente precisa mesmo desabafar, e até por vocês deixar a fragilidade entrar pra mais tarde levantar com mais vigor.

beijos

Ah, tem presentinho pra você lá no blog

Rômulo disse...

É ótimo quando temos algumas pessoas com as quais podemos ser o bicho ferido na chuva, mas o ruim é quando não conseguimos sê-lo com ninguém.
Minha data melancólica é o ano-novo. Acho que ao não me sentir tão feliz quanto os outros que estão ao meu redor, entro em uma espécie de ciclo, e fico mais triste ainda. A questão é que, em geral, passo a virada do ano na escada do prédio, ou em algum canto onde posso ter a certeza de que não vou ser encontrado, para poder reconhecer minhas dores em silêncio.
Também vivo com esse dilema: ao passo em que transpareço a imagem de indestrutível, implodo com minhas mágoas. Já caí inúmeras vezes, as vezes por atos covardes, as vezes por não ser tão forte quanto achava que era; e quando não pude me levantar com rapidez, me arrastei, por não aceitar a covardia da desistência.

Muito bonita a frase que você mostrou, do texto para o seu avô. Quando você disse que a escreveu com 9 anos, bem, é quase inacreditável. Não é à toa que escreves tão bem hoje em dia.

Desculpe por ter escrito tanto, mas me identifiquei muito com esse texto.
Beijos.

Vanessa Lee disse...

A gente deve comemorar o fato que por mais um ano sobrevivemos! Mas realmente deve ter uma carga mto pesada ter uma pessoa amada que faleceu no dia do seu aniversário!

Minha data melancólica é o Natal. Não sei pq, e a sensação que não comugo fa felicidade generalizada piora minha sensação.

Clarissa ~ Ultraviolet disse...

primeiramente, axo q ainda da tempo de vc ter um feliz aniversario...
eh soh vc se lembrar q ateh aki vc venceu tudo...
e tem sido forte... naum se renda. o preço a pagar eh pequeno, em relação ao tamanho da vitória q eh ter força em "dias desleais"...

vc tah no caminho certo... faça das deslealdades desses dias (ou desse dia) o motivo pra viver... vc precisa vence-las...

bjaum
e volte sempre ao empty dreams...

=*

Blog do Hugo disse...

Bahhh
Eh isso ae... tristeza é perda de tempo.. o mundo tá aí, cheio de coisas pra serem apreciadas, e com um monte de coisa pra gente fazer e se ocupar!!!!
Legal o texto.. parabéns =D

www.blogdohugo.com

Wander Veroni disse...

Olá!

O seu texto tem uma sinceridade muito bonita e mostra q vc superou os seus medos e teve a humildade de repassar a sua experiência para o próximo - e isso é muito bonito. Adorei cada palavra que escreveu.

Aqui, quero lhe convidar para passar no meu blog, o Café com Notícias.

Abcs,

=]
__________________________
http://cafecomnoticias.blogspot.com

Marco disse...

eu fiquei mega feliz quando comecei a ficar com a pessoa *-*

Tem que chagar a madrugada pra gente se pegar (6)

Parabéns pelo seu blog *-*

Marco disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk³

a gente tem que esperar as pessoas dormirem ;~

todo mundo já percebeu mas todo mundo cobri os olhos negando a si mesmo o que tá acontecendo ç.ç

vou dizer isso no próximo post =D

Douglas Lopes disse...

Legal seu blog, parabens =]

Dih da Pâhzinha... disse...

O jeito é sempre se manter forte...

E parabéns pelo seu aniversário!

Espero que continue sempre forte como você é agora!!

http://www.avidanobeco.com

Rômulo disse...

Hahaha, se começarmos a aumentar um ponto a cada comentário, vai ser melhor postá-los logo de uma vez!

Maíra Charken disse...

Senti falta, por isso passei aqui e, olha só! Foi seu aniversário! Sei exatamente o que é "ser forte", quando o que mais queremos é não precisar ser. Linda, grande beijo e muita saúde, amor e sucesso!

www.mairaempalavras.blogspot.com

saarinhacosta disse...

primeiro, sinto pelo seu avó, eu tb comecei a escrever coisas do tipo quando minha avó morreu. :*

MinGuarino disse...

Olá !

Somos 2 melancolicas de aniversario...(no meu caso, nostalgica tbm !). Coincidentemente, o seu é 4 dias após o meu, coisas de cancerianos.

Esses dias tbm tenho sentido muita necessidade de ser ao menos por uns instantes o bicho ferido na chuva.
=*

David disse...

nossa vc escreve mt bem
vc nao escreve simplesmente
coloca sentimento alma
cada fragmento de tinta
vc si abre pra kilo
pula de parakedas