domingo, 14 de setembro de 2008

E quem irá dizer que não existe razão?

"...Como se a vida fosse um perigo, como se houvesse faca no ar..."

Leo e Bia. Da infância à adolescência, das brincadeiras à universidade. Uma linda história de amor, romance que não está nos livros, a escrita precisa na canção, Mar e Lua. As duas crianças cresceram juntas, brincaram na mesma rua, estudaram na mesma escola, eram inseparáveis. O desabrochar de um desejo, bem ali, sob os olhares atentos e repressores.

O que era "brincadeira de criança" cresceu e se modificou. Seriam almas gêmeas? Não se sabe ao certo. O fato é que se apaixonaram, ali, sob os olhares atentos e espantados.

Leo e Bia sabiam viver, riam da imprevisibilidade da vida, se divertiam com coisas simples como pintar a parede da sala do apartamento onde moravam sujando as roupas todas de tinta. Usavam a criatividade nas aulas da faculdade de arquitetura e rezavam todos os dias antes do jantar. A descoberta da vida a dois, bem ali, sob os olhares atentos e curiosos.

Não tinham uma vida luxuosa, mas isso não importava muito. O que ganhavam dava para sustentar o agradável apartamento em que viviam. Uma sala de estar e um pequeno quarto com peças e quadros decorativos, em tons suaves e alegres, denunciavam a felicidade do casal. O dia a dia de duas pessoas que se amam, bem ali, sob os olhares atentos e invejosos.

Sempre os mesmos olhares, ali atentos a tudo. Mas Leo e Bia riam deles. Apenas uma coisa deixava Bia triste: era quando Leo a chamava de "Ana Beatriz Bezerra Pires". Era um sinal de que estava com raiva dela, por algum motivo. E vice-versa, quando Bia chamava Leo de "Leandra Mendes Rocha", lá vinha chumbo grosso.

Mas, no fim das contas, sempre ficava tudo bem. As meninas eram fortes, lutavam pela vida, pelo amor e pelo direito de sorrir juntas, quando quisessem. A vida delas era só sorrisos. Bem ali sob os olhares atentos e hipócritas.

Bem aqui, sob o seu olhar.

"...Qualquer maneira de amar valia. E Leo e Bia souberam amar..."

9 comentários:

ohshittt disse...

muito lindo o texto!
as pessoas deveriam viver mais assim!
lutando pelo amor e pela felicidade!
sem se importar com as pessoas q na sua ignorancia julgam e sem saber as vezes fazem mal!

.:Fadinias:. disse...

a , achei lindo o texto , não importa a forma , oq importa msm é o amr neh :) beejos

carolina abdalla disse...

gostei do texto,comparado com os dias de hoje seria meio que uma utopia,mas uma utopia vem muito a calhar de vez em quando :D.o modo como você escreve me encanta,me prende no texto.espero pelo novo post.beijocas!

Marcelo disse...

Caramba... bom texto. Gostei das referências textuais ao Oswaldo Montenegro e ao Legião.. inteligente, sutil e refinado parabéns... tudo a ver com o texto.

Alexandre disse...

Esse tipo de texto que dialoga com outros assim é mto interessante. Me lembra as aulas de TC no 2º período de faculdade...rsrsrs
Mas, é como a Carolina disse acima, Leo e Bia assim como Eduardo e Mônica e tantos outros são aueles casais utópicos... que só existem mesmo nas viagens das músicas. Das boas músicas...
Abraço
http://falandoprasparedes.blogspot.com

N_era disse...

eu nem sei...Na verdade sei nem o que é "isso"...a gente pode ter uma simples idéia e Às vezes enfeitá-lo pra postar em algum canto..Mas eu num sei nem o que "isso" quer dizer.

Daniel Abreu disse...

Será que eu não sei amar? o.o"

Vanessa disse...

Toda forma de amor vale a pena.

Klinger disse...

Esse ainda é um dos que eu mais gosto..............