sexta-feira, 25 de setembro de 2009

"Continuo a pensar que quando tudo parece sem saída, sempre se pode cantar."

Vou te mandar uma carta de amor, uns presentes tipo poesia, para te embelezar e sanar qualquer um tipo de dor.

Ti: pó de poesia.


Se triste, risque o fardo e escreve no lugar da dor, ar.
"Equando a gente não sabe escrever? Faz o quê?" Rabisca, desenha, dança, conta uma resenha, canta, só não pode imitar a solidão, por favor. Reza, desabafa, muda o peso. Mundo preso é passarinho na gaiola. Leve com você os problemas, mas não os instalem dentro do seu corpo, nem da sua alma. Dentro assim, só o amor deve permanecer.

E se "essa doença não tem cura", se "esse mundo não tem jeito, só defeito", o negócio é se curar. Nós somos mais do que ansiedade, pontuações, loucuras: nós somos nossa própria cura.

9 comentários:

Paula disse...

É sempre bom ler palavras assim.

^^

.Intense. disse...

Sabe oq eu lembrei?
"Eu passei um tempo andando no escuro, procurando não achar as respostas / Eu era a causa e a saída de tudo, e eu cavei como um túnel meu caminho de volta..."

E mandei o texto via twitter pra uma outra amiga blogueira tb, a dona do Vermelhas Unhas - acho que é uma fase boa dela ler seu texto.

Ando te achando, assim, cheia de amor - será verdade? Sumi daqui, ando atrapalhada pra ler os blogs, mesmo atualizando sempre o meu...agora vim ler tudo...ameeeei intenso o "Do que eu preciso te falar".

Vou pedir pra Namorado ler.
"Você precisa saber que algumas coisas, ainda que não pareça, ainda estão em fase final de cicatrização, apesar de já não verter sangue algum..."

;*

Paula disse...

E agora depois de tudo o que me falou, oq devo te dizer? (...)
Olha, é certo que essa será a primeira de MUITAS vezes que irei visitar você. E logo agora que sei que temos algo em comum, algo tão sem nome, atípico, que só a gente sabe oq eh sentir. Logo agora que encontrei um lugar tão agradável, cujas as palavras são tão leves, te digo que os agradecimentos são meus.

Um beeeijo ^^

Du... disse...

Sempre achei que nao existisse mesmo a cura pra momentos assim , mas mesmo nao sendo uma cura é um bom remédio pra amenizar a dor , lindo..

Larissa Porto disse...

Muito bonito, sensível, sensato!
Abri o blog hoje e postei, logo após fui fazer um tour, e cair aqui me serviu como luvas, um caminho antes já trilhado e que todos os espinhos dele já foi retirado... Só tenho a agradecer e parabenizar pelas palavras!

a n d r é a disse...

só depende de nós... beijo yasha, sumiu?!

Alan Salgueiro disse...

Nós somos nossa própria cura! Taí o grande ponto da minha reflexão... será que conseguimos mesmo sê-la? Nesse mundo onde as carências se tornam cada vez maiores e autosuficiência dorme cobriando a cabeça e deixando os pés de fora, sem conseguir se manter dissimulada o tempo todo.

Cura por cura, amiga Yasha, venho pedir desculpas pelo pequeno sumisso, li quando disseste do seu momento delicado e deveria ter vindo antes saber do que se tratava. Afinal, por mais que a cura esteja em nossas mãos, nunca é demais compartilhar a ferida e tentar buscar os caminhos da solução em companhia.

Beijo!

Danila :) disse...

Nos temos a vida assim em nossas mãos temos que nos curar sempre e vive-la intensamente.

Minha Esperança disse...

Amei.....
Convido a passar no meu blog
lagoadetapes
abs