segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Do que eu preciso te falar.

“Veja você, onde é que o barco foi desaguar. A gente só queria um amor. Deus parece às vezes se esquecer. Ai, não fala isso, por favor! Esse é só o começo do fim da nossa vida. Deixa chegar o sonho, prepara uma avenida que a gente vai passar...”

Eu preciso te dizer que as minhas intenções a seu respeito são as melhores, que eu nunca te magoaria e que eu preciso que você acredite em mim. Eu preciso te dizer que não esperava que você fosse me invadir o peito sem pedir permissão, sem ao menos fazer um contato, sem deixar que eu visse ou tentasse impedir a tua passagem: você entrou e se sentou em um lugar onde quem se senta não se levanta.

Você precisa saber que algumas coisas, ainda que não pareça, ainda estão em fase final de cicatrização, apesar de já não verter sangue algum, - só algumas lembranças que me deixaram uns reflexos mal feitos, e que às vezes me fazem dar ou deixar de dar passos-. Eu sei que não pode ser assim, eu sei – questão de tempo. Eu preciso te dizer que não adiantou temer e me conter. E preciso te perguntar: como foi que você me roubou pra você?

Eu quero que você saiba que sinto tanta, mas tanta vontade de te levar de alguma forma até o meu amanhã, o meu próximo ano, e o outro, e o outro, e mais quantos estiverem dispostos a vir. E quero que você saiba que os teus olhos me faziam almejar isso cada vez mais, com mais intensidade, a cada vez que você os fixava nos meus, e sorria. E eu já não quero desviar os meus olhos por medo de cair de vez nas tuas mãos, porque eu já não tenho armas pra lutar contra você. Eu quero te dizer também que quando você deitava no meu braço esquerdo, perto do meu peito, pra descansar tua alma, eu me sentia completa; e que depois disso tudo eu não seria infeliz se o fim desse preenchimento precisasse ser uma conversa de botas batidas.

“...Veja você, onde é que tudo foi desabar. A gente corre pra se esconder e se amar, se amar até o fim, sem saber que o fim já vai chegar. Deixa o moço bater que eu cansei da nossa fuga, já não vejo motivos pra um amor de tantas rugas não ter o seu lugar...”

Eu quero te dizer que já fazia tempo que o meu encanto não funcionava e que os meus olhos não brilhavam tanto, e que foi só você chegar pra que tudo voltasse a crescer e eu recuperasse esse fôlego de jovem que toma água da fonte. Mas tenho que te confessar também que eu morro de medo de te dizer essas coisas tanto quanto morro de vontade de te dizer tudo isso e mais, agora mesmo.

Eu quero te levar adiante, e quero te dar todo o valor que te cabe. Quero te sentar nos lugares que você merece sentar-se e te dar a atenção e o respeito que você merece. Quero aprender a interpretar todos esses teus labirintos, teus cinzas e todas as coisas que você me diz e que me deixam forte, forte, forte – e fraca de tanto querer. Quero que você perceba que abri espaço agora, e que você pode se acomodar e ficar até o dia que eu não vou me atrever a dizer qual é.

Todos já estão dormindo. Só em mim que a saudade não dorme.

“...Abre a janela agora, deixa que o sol te veja, é só lembrar que o amor é tão maior que estamos sós no céu. Abre as cortinas pra mim que eu não me escondo de ninguém, o amor já desvendou nosso lugar e agora está de bem.”

Confia em mim. Aperta a minha mão bem forte e pula comigo daqui.

4 comentários:

Andréa Haushin'ka disse...

Quero aprender a interpretar todos esses teus labirintos, teus cinzas e todas as coisas que você me diz e que me deixam forte, forte, forte – e fraca de tanto querer.

=D esse eu gostei mesmo!

Ni ... disse...

"Quero aprender a interpretar todos esses teus labirintos, teus cinzas e todas as coisas que você me diz e que me deixam forte, forte, forte – e fraca de tanto querer."

Lindo demais!

Lela disse...

Ahhh! Que bom que gostou de lá. =D
Fico feliz! É... E eu tbm espero que essa viagem faça brilhar os meus olhos e os dele num vermelho incandescente.

Seu texto me fez reviver e relembrar coisas boas.
"Eu quero te dizer também que quando você deitava no meu braço esquerdo, perto do meu peito, pra descansar tua alma, eu me sentia completa; e que depois disso tudo eu não seria infeliz se o fim desse preenchimento precisasse ser uma conversa de botas batidas." LINDO demais.

E levem-se a diante, permitam-se e aproveitem o que a vida tem de melhor: o amor!

Beijo
;*

Lela disse...

Ahhh! Que bom que gostou de lá. =D
Fico feliz! É... E eu tbm espero que essa viagem faça brilhar os meus olhos e os dele num vermelho incandescente.

Seu texto me fez reviver e relembrar coisas boas.
"Eu quero te dizer também que quando você deitava no meu braço esquerdo, perto do meu peito, pra descansar tua alma, eu me sentia completa; e que depois disso tudo eu não seria infeliz se o fim desse preenchimento precisasse ser uma conversa de botas batidas." LINDO demais.

E levem-se a diante, permitam-se e aproveitem o que a vida tem de melhor: o amor!

Beijo
;*