domingo, 27 de setembro de 2009

Porque a esperança não morria. Ela nunca morria.

Acredito que foi a sua capacidade de me deixar feliz em questão de segundos, ou o caminhar despreocupado, o piscar de olhos um tanto lento, o sotaque, a voz firme e arrastada como de quem a qualquer momento vai soltar um riso ainda que a situação seja das mais desapropriadas.

Acredito que foram os olhos cinza e doces que, de tão profundos, me faziam por vezes tremer e temer. Foi o jeito como agarravas as minhas mãos sem se importar com nada mais em volta no mundo inteiro.

Deve ter sido a maneira em que te apoiavas no meu braço esquerdo pra dormir o que me faz querer-te tanto, mas tanto, a ponto de doer a cada vez que eu falo contigo e tenho que te deixar do outro lado da linha, da ponte.

Talvez tenha sido a tua maneira de me ensinar tuas palavras e aprender as minhas, teu jeito de sorrir. A maneira de me fazer confrontar a mim mesma pra eu perceber verdades importantes. Esse teu sorriso rouco que não me deixa te esquecer, e o teu interesse por um par de coisas minhas que eu mesma julgava desinteressantes.

Deve ter sido o teu jeito de me olhar com sua íris brilhante pela manhã, quando a beleza produzida se esvai por completo e só fica a humanidade, ali exposta.

Foram coisas assim, e outras coisas que segues sendo, o que me faz largar tudo e ir ao teu encontro. Eu atravesso o mundo por um fio quando a saudade aperta. São coisas assim que te tem feito tão amável a ponto de me aquecer o peito só de pensar em não encontrar mais o teu abraço no meio da semana, quando a minha esperança estiver verde lodo. De não encontrar a tua força e o jeito de como enfrentas a vida de forma crua. De não encontrar a tua esperança naquilo que é evidente, e o jeito como me olhas - e me paralisa a alma - quando ninguém vê. Porque eu amo a verdade que vive em teu olhar, amo a tua perseverança e esse tanto de coisas até então impossíveis que eu encontrei quando te conheci. E te digo que não espero nada além de um amanhã tranqüilo e que eu sinta calmaria toda vez que pensar em ti. Quanto a ti, que sintas calmaria quando pensares em mim. E sim, quero ser quem você recorda quando tem a certeza de que não está só.

O que fica é esse gosto doce, e umas gotas de ácido por medo de que tanta notícia me faça sucumbir por trás de uma cortina de fumaça negra, mas não. Ficam as lembranças dos dias em que sumíamos do mundo inteiro e o mundo então era só você e eu, e essa expectativa no meu peito de que as semanas vão passar bem depressa e que poderemos estar de mãos dadas outra vez, chutando o mundo, rindo da vida e distraindo o tempo. Fica a esperança verde árvore, como a tua cor predileta. Fica tua preferência pelo refrigerante de laranja e a minha pelo “te-olhar-enquanto-matas-a-tua-sede”. Fica a noite linda na praia e teu rosto gravado na minha memória de todas as vezes que eu te olhava pasma e você não entendia o porquê. Ficam os filmes que vimos e os tantos que fizemos planos para ver e que ainda não conseguimos. Ficam as músicas que te vi dançar à tua maneira, e a minha timidez quando me pedias para te acompanhar. Fica tua fascinação por livros, letras e melodia. Fica aqui comigo o teu cheiro e a espera para o dia em que voltares. Fica Leoni cantando “Canção Pra Quando Você Voltar”, enquanto esse tempo não chega. Fica tudo o que eu não sentia e que tu com teus encantos despertastes, depositando cor, depositando vida.

E eu não vou te buscar aonde eu sei que não vais estar, mas quando chegar o tempo de te ver de novo que esteja em ti a absoluta certeza de que eu estarei realmente feliz por isso.

Te desejo sorte, muita sorte.
Me desejo sorte, muita sorte, semelhante a que desejo a ti.
Que a tenhamos, então.

7 comentários:

Danila :) disse...

Muito bonito... gostei da comparação com os verdes *.* e tudo mais, perfeito... =*

Ni ... disse...

Ah, moça
Pelo que li, temos mesmo semelhanças que fez ler sorrindo, com uma saudade intensa...

"Talvez tenha sido a tua maneira de me ensinar tuas palavras e aprender as minhas, teu jeito de sorrir. A maneira de me fazer confrontar a mim mesma pra eu perceber verdades importantes. Esse teu sorriso rouco que não me deixa te esquecer, e o teu interesse por um par de coisas minhas que eu mesma julgava desinteressantes."

Como me fez viajar esta parte... ai ai... rs

Gosto demais de estar por aqui...

Beijo e mais beijos...

Ellen Damaris disse...

Tudo tem uma comparaçao ne?
fez eu me sentir tao melhor
beeeijos

.Intense. disse...

Estava no msn com vc esses dias, da casa do Namorado, e sairam do meu msn ¬¬ Fiquei morrendo de vergonha, nem deu pra voltar pra te falar tchau. Desculpa.

=(

Ando te lendo. Te lendo e devorando com os olhos - acho que vc viu lá no Excesso Intenso, né?rs - mas sem palavras pra traduzir oq penso. Não sei se tem a ver, mas tenho lido todos seus posts mesclando e intercalando as coisas que vc vive - e isso talvez mude mto o que significado deles, não sei, e talvez isso mesmo me cale. Confuso =/

Paula disse...

...e me surpreendo cada vez mais.

Um beeeijo!

Du... disse...

Adorei a sua colocação , aforma que descreves detlhes q na maioria sao imperceptiveis mas q diante de tua saudade tudo se torna tao importante e singular, ate coisas simples do cotidiano.

Me lembrou um trecho de um texto...

“Te desejo uma fé enorme, em qualquer coisa, não importa o quê, como aquela fé que a gente teve um dia, me deseja também uma coisa bem bonita, uma coisa qualquer maravilhosa, que me faça acreditar em tudo de novo, que nos faça acreditar em tudo outra vez”.

ps: Acho que você não toma refrigerante né? rsrs

Versos Controversos - Alan Salgueiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.