quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Prece.

Uma prece
Alguma coisa que fale de você
Qualquer coisa que nos aproxime
Qualquer coisa que não nos distancie
Qualquer coisa que não seja essa saudade toda
Que anuncia a manhã de todo dia
Que não me pede licença
Uma prece
Que diga pra você que ainda estou aqui
Esperando um dia como os nossos “onténs”
Todos eles

(até os tristes e os silenciosos
)

(Estes versos são desabafos e saudades. Hoje faz onze meses que minha avó morreu, faz onze meses que eu não escuto seus conselhos, seus planos, suas músicas. Dizem que com o tempo tudo fica mais calmo. Que a dor diminui, essas coisas bestas. Mentira. Com o tempo, a gente apenas se acostuma com a ausência, mas dói, e muito. E qualquer gesto parecido com o seu, vó, é motivo para engasgar numa lágrima cheia de saudade. Após onze meses preciso agradecer alguns colos. Alguns sorrisos que me acolheram quando tudo estava complicado demais, mesmo não sabendo o motivo exato da tal tristeza. Obrigada. Hoje eu só queria poder dormir, dormir, dormir... e despertar num dia distante.)

Esses dias têm mexido comigo, vó. Ontem eu senti uma saudade dolorida. Apontou lá dentro do coração e machucou fundo. O coração contraiu. Mas ele sobreviverá... Porque coração é assim mesmo, vó, faz e ouve somente aquilo que lhe é conveniente. Sobreviverá porque destruir não é coisa simples quando se trata de um Amor como o nosso, cheio de lantejoulas e coisas bonitas, de momentos ímpares, de apoio e de vontade de ir em frente, a qualquer lugar. Apenas ir, ainda que não se tenha propósito de chegar – e não há -, apenas ir até o fim: junto. Sobreviverá pelo brilho dos olhos, pelo vento gelado no estômago, pelo peito acelerado, pela vontade de gritar pro mundo inteiro e as galáxias mais próximas ouvirem dessa saudade que me aperta. Sobreviverá pelas mãos que ainda se buscam para o abraço, pelos sorrisos que eu não consigo conter ao lembrar de você, pelas lembranças eternizadas, por querer tanto você aqui, por ser tão puro. Porque os dias de chuva não duram pra sempre, e um dia novo sempre surge depois de uma noite difícil. Porque o inverno é um tanto frio, mas anuncia a primavera, e tudo muda depois. Tudo muda. Sobreviverá porque até o nosso campo quando seca, e os nossos girassóis quando se abalam, permanecem belos e vigorosos, contentes, firmes como o que carregamos no peito. Sobreviverá. Porque eu que, quando você se foi, andava como uma cega de olhos e de alma, hoje vejo cores, arco-íris reluzentes, vejo a possibilidade de um futuro feliz, crio sons, crio palavras assim. Porque hoje a minha vida que era choro tornou-se esperança-verde-árvore. Por isso e um tanto mais, sobreviverá. Sobreviverá aos abalos e aos obstáculos.

So-bre-vi-ve-rá.
(Porque o mundo ainda dá preferência ao que há de bom, ainda que tarde.)

8 comentários:

Ane disse...

Olha,moro com meus avós,e a cada dia que passa,eles,principalmente meu avô,estão ficando mais fraquinhos,e isso me machuca demais,me dá uma dor imensa saber que um dia,não tão distante assim,eles não vão estar mais aqui.Não vou ouvir os provérbios do meu avô,nem brigar,quando minha vó,tomar calmante escondido.
Parece pedaço da gente.Gosto nem de pensar ;/.
Seu post me doeu.

beeijos.

Mel disse...

Sabe quando dói e faz bem... foi assim e lendo o post lembrei da minha vó que faz 11 anos que se foi e a dor ainda dói mas como você disse acostumei com a ausência...
E a gente sobrevive, e pensa como ela ficaria orgulhosa com nossas conquistas e até escuta ela aconselhando quando vacilamos...
E vai ser assim pra sempre, porque a imagem sobreviverá em você.
E é a tempestade que faz bons marinheiros, e sempre vem dias de calmaria para que o bom marinheiro tenha seu merecido descanso.
Bjs e fique bem

Ni ... disse...

Faz 3 anos e meio que perdi minha mãe e está dor ainda é vívida aqui dentro...

Aqueço-me nas lembranças alegres, nos sorrisos e lagrimas compartilhadas e na esperança de ter novamente aquele colo gostoso...

Mel disse...

Yasha, passa lá do blog depois que tem um selinho pra você; espero que goste.

devaneadora disse...

nossa amei o texto, saudade é um dos sentimentos mais dificeis de superar...Ainda mais na sua situação..Sei bem como é quando essa dor bate no peito da gente, e cria clima de nostalgia... Sentir a falta, enxergar a ausencia é angustiante. /=
Mas tente pensar ela sempre estará olhando por você ;)

Amei seu blog!

Dayane disse...

SOBREVIVERÀ!!!

Adorei seu comentário. rs achei engraçado aparte de que ficou atualizando a página... E saber que é uam dor que não é só minha é interessante, a sua ainda tem alguns a mais né.. mas eu de todo, de todo o meu coração espero que passe.. Assim como venho desejando a mim mesma.
Com todo este seu bom humor visivel, (pelo pouco contato que tive), todas suas doces palavras que te façam melhorar o estado de espirito a cada dia;

Logicamente voltarei pra cá *--*
E quero muito que me leia mais vezes.

*---------*

Larissa Porto disse...

Chorei =/
Não há palavras para confortar..
e você disse certo...
Apenas nos acostumamos com a ausência...
Que saudade(chega a doer) da minha avó que está aqui...
tão pertinho de mim! :S

BeejO!

Beki Girl disse...

Adorei a presença no meu blog, os elogios fiquei super feliz... Teatro Mágico tornou uma das minhas paixões e legal descobrir algo em comum assim de "cara" .

Beijos