sábado, 28 de novembro de 2009

E nem o tempo fará esquecer você.

Um ano, vó. Um ano sem ouvir sua voz, um ano sem seus abraços, um ano sem suas palavras de conforto, um ano sem as nossas caminhadas no parque, um ano sem a sua força de vontade diante do mundo, um ano sem a sua paciência, um ano sem a sua esperança de que um dia tudo daria certo pra mim.

Desde aquela noite tenho pensado bem menos e sentido bem mais. Sentindo tudo, inclusive a dor, já que ela é parte fundamental de nossa vivência. Os pássaros coloridos que andavam na sua bolsa já adornam esse meu mundo e posso te dizer que a leveza deles me alegra, me faz voar junto... "Tudo que não nos mata, nos fortalece", a frase do atormentado filósofo dita por você dias antes de partir tem sido meu mantra, me fazendo lembrar que o tempo todo nós somos humanos, demasiado humanos. E que assim seja. Essa tua força que me vem com o vento tem sabor de desejo compartilhado. Desejo que pede serenidade, retidão e acima de tudo respeito por todas as nossas histórias.

Ainda digo ao meu coração:
"Vamos insistir - não nos outros, mas em nós." E sei que há horas de manobrar a lupa da adivinhação: para enxergamos nossos olhos melhor, no espelho. Porque está tudo dentro de nós, nada fora.

Não posso negar da falta que me faz o teu riso, que apagava a luz do dia, o rosnado do tédio, a gritaria das crianças na rua. Sei que também havia algo de trágico escondido nesse teu riso, um desgosto de que o mundo fosse tão diferente dele. Mas principalmente havia o rosto eterno da vida, nesse teu riso que morreu.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Para a moça de sorriso aberto.

Ela, que já transformou um lápis em um elefante e que já preparou seu campo e alma para as flores - e eis que recebeu as tais 24 rosas vermelhas tão esperadas do tal 'homem da sua vida'-...

Hoje eu acordei sorrindo e não poderia deixar de vir aqui passar toda a minha energia positiva, acesa como vela, pra essa moça de sorriso aberto, que mesmo distante se faz aqui tão pertinho e tem o dom de colorir os meus dias cinza e de alegrar ainda mais os meus dias já alegres. 23 anos é pequenininho perto do que você tem pra conquistar, flor. E você tem tanto ainda pela frente que nem vale a pena pensar em números.

Flor, cruzo os dedos pra que o seu caminho seja só de rosas, sem espinhos, e que você saiba passar pelas pedras que venham a surgir nele. Que você possa viver seus dias sem prestar tanta atenção nos detalhes, sem calcular, apenas viver, intensamente. Que possa viajar muito e trazer cada pedacinho do mundo dentro de si. Que tenha muitos frios na barriga, beijos, blues e poesia. Que você não fique doente, mas se for o caso, que seja alguma coisa bem besta e que tenha sempre alguém do teu lado te mimando com um olhar de preocupação. Peço pra que você não deixe nunca que sua essência se apague, não deixe nunca que interfiram nesse seu brilho tão forte e transparente; mas se for o caso da sua luz fraquejar, que você consiga reacendê-la ainda mais forte. Que você consiga sempre abstrair quando for preciso e resolver seus problemas da melhor forma, crescendo sem precisar passar por cima de ninguém. Que tenha sempre esse amor dentro de você e o seu amor ao seu lado. Que você consiga viver suas músicas, melodias, silêncios, ou sons de passarinhos. E que São Jorge esteja sempre contigo, te protegendo de todo o mal. Pelos corredores que te cercam que haja sempre esse seu sorriso aberto verdadeiro, o sorriso mais encantador desse mundo.

Quero que saibas que te quero bem demais, que te gosto um tanto mais e que os dias têm cores, muitas cores, contigo. E o que são 2.845 km de distância diante disso? [Quero ir aí, um dia, te conhecer e te dar todos os abraços que já te mandei pelo ar].
Ela me faz pensar que não sou a única a achar que somos vários pedacinhos de sentimentos com vida própria. E sabe que a vida ficou mais colorida, mais vida, depois que você apareceu?

Que não só o dia 20 de novembro (redondinho) lhe seja bom, mas que os seus próximos dias e anos a fio possam ser ainda melhores. Do coração do meu coração.

“...Porque você é linda, porque você é meiga e sobretudo porque você é uma menina com uma flor.”

Ps.: E que o Fofão não atormente os seus sonhos!

domingo, 15 de novembro de 2009

A vida é uma ratoeira, mas tem que ir lá comer o queijo.

Sabe quando chega o momento de ser mais forte do que antes? De ser mais você sem deixar de ser o outro?

Sabe quando é preciso achar no meio das nuvens um caminho verdadeiro? Deixar de ver o passo seguinte como um simples talvez?

Sabe quando o dia de ontem já não nos diz tantas coisas e os medos deixam de ser tão esplêndidos?

Sabe quando as decisões antes esquecidas na gaveta do quarto acabam se tornando o comentário mais promissor do jornal?

Sabe quando a fuga já não é a melhor escolha e é preciso de um novo jeito para se dizer o velho "não"? (Porque o sim constrói, mas o não constrói muito mais).

Sabe quando você dá de cara com as correntes que te mantêm preso e descobre, sem querer, que já não é tão preso assim?

Sabe quando você começa a enxergar o visível e é forçada a separar do coração a visão?

Não é raro compreender que você é muito mais do que sempre imaginou.


[Obrigada pelos comentários lindos e otimistas da postagem anterior :)].

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Me diz se assim está em paz?

Eu cansei, na forma mais bonita da palavra, cansei. Cansei de mim, das minhas manias, dos meus gostos, dos meus defeitos crônicos, cansei de algumas pessoas, das formas e gestos, do mundo, num geral mesmo, cansei e ponto. Todo mundo pode se cansar uma vez na vida, e eu decretei minha terça-feira o dia do 'eu também me canso' e cansei. Baguncei o quarto, quebrei copos e pratos, taquei tudo pela janela e não vou arrumar tão cedo. Quero me encontrar em meio a minha confusão. E não, a culpa não é sua, entenda, eu também canso, também sofro e também tenho problemas amargos e pesados. Não estou afim de sair por ai espalhando sorrisos, hoje eu quero mais é deitar e silenciar. Quero colo, dos amigos, de você, mas cadê você? Cansei, cansei, cansei. Não desisti, mas cansei. Eu sei que é amor, mas... Cansei e ponto final nisso.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Da Fé.

Lembra da sua infância, quando você acreditava em contos de fadas? Aquela fantasia de como sua vida seria. Aquele vestido longo bonitão, o sapo que viraria príncipe encantado e te levaria embora para um castelo na montanha. Você deitava à noite na cama, fechava os olhos, e tinha perfeita e absoluta fé.
No final das contas, a fé é uma coisa engraçada. Ela surge quando você não a espera. É como se um dia você percebesse que o conto de fadas talvez seja repentinamente diferente do que sonhou. O castelo, bem, talvez não seja um castelo. E não é tão importante que se seja feliz para sempre, contanto que se seja feliz agora.


Ele diz:
Onde está a tua fé?

Ela diz:
Não basta ter fé, as pessoas devem ao menos cumprir seu papel profissional, senão como vão comer se ninguém planta? Como vamos trabalhar se não há trabalhos? Como vamos nos tratar se não há médicos? E como vamos ter fé se não temos consciência para isso? Em consciência tenho fé.

Desacreditar é regredir, é esmorecer. Então, mesmo que acreditemos em coisas diferentes, é a crença que nos impulsiona quando o plano terrestre nos diz não. Quando os médicos sem coração nós diz pra voltarmos para casa quando estamos tendo uma reação alérgica. Então você começa a aprender a respirar pelo diafragma e aos poucos descobre que a cura esteve sempre muito próxima, assim como a fé em nós.

"Te desejo uma fé enorme, em qualquer coisa, não importa o quê, como aquela fé que a gente teve um dia, me deseja também uma coisa bem bonita, uma coisa qualquer maravilhosa, que me faça acreditar" [Caio F. Abreu].


Ps.1: Aproveitando para dizer que sábado estou indo para João Pessoa fazer a prova da UFCG (*me mandem energias positivas*), estou bem ansiosa e nem sei mais o que são unhas, mas enfim, a prova é no domingo e na segunda e devo voltar ainda na segunda.

Ps.2: Aproveitar também para agradecer a Mel pelo selo do “Blog Instigante” e dizer que fiquei toda boba. Muitão obrigada, flor. :D
E quando eu voltar eu indico os blogs para receber o selo. Beijo e até a volta. :*