quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Tanto mar...

Hoje decidi abraçar a verdade e ordenei que ninguém mais a tiraria daqui. Talvez muita gente não entenda isso, até porque "Só quem já cruzou desertos saberá chorar em frente ao mar". E acredite, eu cruzei esse deserto tantas vezes, chorei tanto em frente aos mares alheios e o meu ficou aqui intacto. Por isso, agora tenho que viver o mar de sentimentos que ficou à minha espera por tanto e tanto tempo.

Dentro de mim o mar não anda revolto como há dias atrás. Hoje ele amanheceu calmo como há dias eu pedi que estivesse. Aqui dentro ainda está frio e eu sei que o que eu quero está lá nas profundezas para algumas pessoas, mas mesmo sendo difícil chegar até lá, eu vou nadar à procura, e sempre que eu pensar em fraquejar eu vou lembrar de todos os brilhos mais reforçados nos olhos que me passam luz para eu seguir. Quando eu mergulho e me recordo desses olhos eu gosto do que vejo. E sabe? Já quase posso tocar o meu sonho. Sei que agora ele está pertinho e não vai ser depois de ter enfrentado tanto mar que eu vou parar e olhar para trás. Olho para frente e até posso sentir a coragem reluzente batendo à porta.

O azul que vejo quando busco por meu sonho é muito mais forte que o meu. Eu estico a mão e tento alcançar um pouco desse azul. Creio que foram as dificuldades que essa busca já me causou, muitas vezes me faltando forças e o ar, que a faz ter um tom mais forte. Mesmo com medo, eu mergulho. Não me vejo sozinha, encontro outras pessoas na mesma busca. Às vezes me encontro à beira do cansaço, mas logo busco meu cais e lá reponho todo o meu ser, todo o querer é relembrado, faço questão. Com algumas ondas me jogando para trás, eu nado contra a correnteza, contra a tempestade que vem à tona toda noite quando me deito.

Enquanto eu estiver a favor do tempo que me foi dado, eu ainda sentirei a luz dos olhos que me guiam e ainda esticarei a mão mais perto, mesmo que lá fundo, na escuridão. Levarei comigo a luz que tenho guardado para a linha de chegada, e os mares desses olhos que me guiam continuarão acalmando aqui dentro de mim, junto ao meu.


"...Tanto mar para chegar..."

4 comentários:

a n d r é a disse...

Yasha que saudade daqui... sei que não falava do mar necessariamente, mas deu vontade de caminhar agorinha na beira do mar, molhando os pés, pra pensar na vida e nesses mares a nossa frente. Como sempre, amei seu texto. Beijoo.

Paula disse...

Eu não sei, mas acho que tô ficando viciada no seu blog menina. ^^


Beeeeeijo

Caféína disse...

Espero que o porto seja o mais aconchagante do mundo, quando atravesares o mar...

Dayane disse...

Hoje decidi abraçar a verdade...

Que saudades de seus escritos!