quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Agonia.

Hoje tive uma imensa vontade de me jogar pela janela, não para morrer, mas para voar e mergulhar em mim mesma. Vontade grande, daquelas que chegam e fazem doer a ponta da quarta costela do lado direito. Anti-sonho de Ícaro, ao invés de subir, descer. E resistir.

Pouco tempo depois veio de novo ela, a vontade, só que dessa vez de tomar um banho com água muito quente, fervente, para arrancar minha pele e expor cada fibra dos meus músculos. Vontade de nova roupa, não a de tecido, mas a de gente. Roupa de pele nova, renovada, disposta à cartada decisiva.

A vontade ali veio na forma de um copo de bebida com bastante gelo, no qual eu pudesse mergulhar e fazer como nos desenhos animados. Caber toda, da cabeça aos pés, num minúsculo copo, para afogar o que um dia planejei dar certo e deu, e o que planejei dar errado e também deu. Sem respiração.

Vontade. Tive até vontade de ligar para você e te fazer perguntas sobre o que eu temia ter respostas. A incerteza me deixa mais tranquila porque me enche de esperança de um dia poder ser. Mas tive vontade de ouvir sua voz dizendo "não" e foder de vez com meu dia, vontade de matar em definitivo as possibilidades.

Tive vontade de avançar no tempo e te encontrar daqui a alguns anos, quando talvez fosse o dia em que deveríamos ter nos conhecido, abraçado, ouvido, falado, amado. Antecipamos nosso encontro e olha onde estamos agora... Tive vontade de te re-conhecer e talvez assim ver que eu e você somos mais que nós.

É imenso, intenso, doloroso. Foi vontade de não ser o que um dia fui, nem ser o que um dia serei, mas vontade de ser apenas quem eu sou, e que, juro, eu não sei bem quem é.

E a vontade agora é de me achar e não me perder nunca mais. De não esperar a janela, o esfolamento, o afogamento, a certeza, o futuro...

Hoje deu vontade. Só quero saber até quando ela ainda vai dar.

Um comentário:

Ni ... disse...

Senti com cada fibra do meu corpo...

Intenso! Perfeito!