segunda-feira, 2 de agosto de 2010

"Com as perdas, só há um jeito: perdê-las."

Escuta! Ela ainda canta. Não é o vento. É o coração soprando os males. É que agora ela anda leve, tropeça pra sentir o chão mais próximo e ter a convicção de que dali, não passa. Por que entre uma mágoa e outra é sempre bom guardar um pouco de si atrás do sim e dos sonhos a dois, para manter-se viva. A famosa arte de esquecer nem sempre sobrevive no rir das próprias dores, às vezes, aproxima-se da hipocrisia. Sobrevive no ressurgir dos desejos, no acolher dos detalhes, no aguardar e no silenciar das horas.

Ela não perdeu o embalo. Começa o dia com o coração mais empenado do que nunca, mas reinventado. Vive enquanto faz versos de milagres. Hoje, alguns murmúrios dormem lá fora. Os mais bonitos, cantam dentro.


*Amanhã estou viajando para Patos-PB, e volto na sexta, dia 06. Ficarei sem internet por lá, portanto, até mais e beijo grande para vocês. E uma coisa eu posso dizer: Se essa viagem não me fizer muito bem, me fará muito mal. Mas estarei torcendo pelo bem. :)

3 comentários:

Aline Monteiro disse...

Oi, Yasha!
Adorei o "Por que entre uma mágoa e outra é sempre bom guardar um pouco de si atrás do sim e dos sonhos a dois, para manter-se viva".
Espero que a viagem seja boa. E que, quando vc voltar, encontre o Vergonha dos Pés em casa. Posto ele amanhã.
Bjo!

Vanessa M. disse...

Esteja pulsando!

Paula disse...

Que lindo!