segunda-feira, 1 de novembro de 2010

"Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar no sonho que se tem..."

Dê uma olhada em você no espelho.
Quem você vê te olhando?
É a pessoa que você quer ser?
Ou é alguém que você queria ser?
A pessoa que você deveria ser, mas acabou não sendo?
É alguém dizendo a você que você não pode ou não quer?
Porque você pode.
Acredite que o amor está por aí.
Acredite que sonhos se realizam todos os dias.
Porque eles se realizam.
Às vezes, a felicidade não vem do dinheiro, da fama ou do poder.
Às vezes, a felicidade vem dos bons amigos e da família
Vem da tranqüila nobreza de se guiar uma boa vida
Acredite que os sonhos se realizam todos os dias.
Porque eles se realizam.
Então dê uma olhada nesse espelho e lembre-se de ser feliz,
Porque você merece ser.
Acredite nisso.
E acredite que os sonhos se realizam todos os dias.
Porque eles se realizam.
[One Tree Hill]

Estendo-me aqui sobre o chão e jorro água. Água com que lavo as mãos, minhas mãos sujas de ontem, de antes de ontem, de uma vida inteira de manejo de estrelas de ponta aguda e caprichos. As unhas feitas em vermelho, sempre em vermelho sangue, em vermelho bordô. E aqui sobre o chão, esta água que vai e se tinge devagar com extremo cuidado é como se eu pintasse o rosto antes daquela festa onde eu sei que vou beber demais e falar demais e todo e qualquer excesso, que foi como sempre vivi. Fogo. E então sobre este chão, água, eu sou uma mulher dando à luz praticamente sem dor, nascendo de mim, nova, o corpo passado a limpo abrindo os olhos pela primeira vez, água, viva, pura, nova. Desta vez não me cumprimentam nem me acolhem, eu venho ao mundo sozinha, por livre e espontânea vontade, e que tudo me aconteça e que seja de novo e igual, não me importo, não me importo uma lasca de unha, que me amem, que me traiam, que mintam e me abandonem, que fujam e a memória de mim que enterrem e por cima joguem cal, que digam grosserias e me pintem como outra, que eu sofra, que eu traia, minta e esqueça. Se existe algo que eu sempre irei conseguir é verter água, é nascer limpa e sozinha e buscando. Estender as mãos a quem me dá as mãos.

Michelangelo disse uma vez que o melhor jeito de julgar os elementos essenciais de uma estátua é jogá-la de um morro, e as peças que não forem importantes vão se quebrar. Às vezes a vida é assim, ela nos joga morro abaixo, mas quando atingimos o fim e só restam as coisas mais importantes é quando nossa visão clareia. É quando nos agarramos ao que conhecemos, enquanto a esperança se mexe dentro de nós.


[Sim, é bem verdade que poucos estão sabendo da minha situação atual, porque, na verdade, eu não tive muito tempo nos últimos dias/meses de vir aqui contar a vocês, mas eu voltei para a Paraíba e para a Medicina Veterinária, e o fato de eu estar sem internet explica a minha ausência por aqui. Confusa? Não. Voltei para o que eu quis desde o início. É sonho, e com sonho não se brinca. E sabe o que foi bom nesse vai e vem todo? Agora eu sei que vai ser até o fim. Percebi a tempo que o futuro era meu e que sou eu que vou ter que encará-lo lá na frente. É fato que ninguém iria trabalhar por mim no que eu não gostasse, então, depois de muito sufoco que poucos aqui sabem que eu precisei enfrentar, eu voltei. Com a cara e a coragem, sim! (Mas e daí?). E quer saber? Estou muuuuuito bem, obrigada. :). E olha! Obrigada aos que continuaram e continuam visitando o Labirinto, apesar da minha ausência, e saibam que isso aqui não vai ficar entregue as moscas, sempre que eu tiver um tempinho livre eu virei aqui dar o ar da graça. Ah! E acredite que os sonhos se realizam todos os dias, porque eles se realizam.]