sábado, 24 de dezembro de 2011

"Um coração alegre formoseia o rosto."



Minha Anjinha,


Vamos passar este ano o primeiro Natal sem a tua presença... Mas olha que coisa! Enquanto tantos aqui na terra esperam o Papai Noel, você está com o Papai do Céu aí do teu lado, que é o símbolo vivo do Natal e que muitos esquecem neste dia. Sinto uma inveja bonita de ti, por isso, mas por outro lado sei que o Papai do Céu vai continuar intercedendo por nós aqui na terra junto a ti, nos guiando em cada dia de 2012 por um caminho de flores. Caio Fernando Abreu um dia disse algo que eu queria ter escrito para você. Ele falou que ontem, por incrível que pareça, todos os lugares que pisei eu te procurei e que fiquei feliz em poder continuar sentindo tua falta a cada dia, pois a falta mostra o quanto necessitamos de algo ou alguém, e que é assim o nosso ciclo. Eu te preciso. Perto, longe, tanto faz.

E era bem isso que eu queria te dizer hoje. Que você permaneça, porque eu te necessito nos meus dias, esteja você perto ou longe. Que você permaneça, porque eu te necessito iluminando a minha vida, colocando sorrisos no meu rosto, me dando força para me reerguer, para continuar minha trajetória. Que você permaneça dentro mim, no lado esquerdo.


Se cuida, minha flor. Gosto muito de você gosto muito de você gosto muito de você, sem pausas. 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Uma nota de carinho (e delírio).

"Doce é sonhar.
É pensar que você
Gosta de mim
Como eu gosto de você!"
[Tom Jobim]


É quando deito a cabeça em teu peito e faço de conta que o algodão da tua camisa é a textura do teu coração. Deve ser. Não pode ser engano meu, pois é macio demais. Igual você é por fora. O que me faz crer que teu coração e todo o teu resto é macio também.

É quando meu polegar pressiona seu pulso, de leve, e faço de conta que já estou lá, no teu coração. Só enquanto não me deixa segurar tua mão. E eu me sinto minúscula quando te abraço e encosto a minha cabeça nesse teu peito gigante.

É quando estamos em pé esperando pelo ônibus que não passa e eu rezo para que ele não passe, pois eu não quero te soltar, porque quando te abraço, o resto do mundo é só paisagem, é passagem. E eu me sinto minúscula assim. Minúscula e gigante de um amor cintilante. Aquele que não muda as minhas cores, mas pelo contrário, as protegem e traz mais brilho.