quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Um dia de silêncio, Minéia.

Um ano, meu anjo. Um ano sem você aqui. Eu poderia até dizer que já faz muito tempo, se no meu coração eu não sentisse que faz muito mais. Quando não se segue a lei natural das coisas fica difícil de acreditar, difícil de conviver. Todos nós imaginamos que um dia perderemos nossos avós, nossos tios, nossos pais... Mas nossos amigos vão estar conosco a vida toda, "temos tanto ainda por viver". Estipulam que viveremos 80 anos e esquecemos as exceções... Pensamos que vai ser sempre assim, que estaremos velhinhos lá na frente jogando baralho enquanto relembramos nosso tempo de faculdade... E daí um dia você sai de casa, cheia de sonhos na bagagem, com um sorriso que não cabe no rosto de tão grande, com a felicidade estampada em cada parte de si, e nesse dia você não volta. Os amigos não morrem, até que acontece. Um ano, minha flor. Um ano sem você aqui. Em um ano se constrói uma vida, mas não traz a sua de volta.

Ah, por favor, não diz para ninguém: Chorei à noite inteira.

Um comentário:

Diná Fernandes disse...

Que tocante e comovente seu lamento,
é bem dificil conciliar essa dor com a realidade amiga. Parabéns pelo lindo texto.