sexta-feira, 4 de outubro de 2013

O universo nos junta com quem nos soma.

Pouco importa o seu nome ou de onde você vem, se o que você me traz é verdadeiro assim, se o que você me diz me dá segurança em um mundo tão cheio de maldades, se o que traz na bagagem me dá confiança para seguir junto.

É bem verdade o que dizem por aí: "Quem procura não acha. É preciso estar distraído e não esperando absolutamente nada." E eu só queria uma caixa pequena, branca mesmo, com um detalhe qualquer, mas aí me vem você: uma caixa enorme, multicor, com três laços gigantes em cima. Sim, muito mais do que eu almejava.

Obrigada por me entender, por me respeitar tanto, pela preocupação e cuidado que você tem comigo, por ter tanta paciência nos meus dias conturbados, por tanta confiança e amor depositado esperando com toda a calma do mundo que dê tudo certo.

Obrigada por transformar meus dias nublados em dias melhores, por me fazer uma pessoa mais leve, por dar cor às minhas manhãs, por me acompanhar, por remover todo o rancor que os outros deixaram no meu peito, assim, como quem cuida de uma ferida diariamente até cicatrizar.

Você, sim, é diferente de todos os outros. Eu aceito. Eu te aceito em mim.

domingo, 31 de março de 2013

Farinha do mesmo saco.

"Se for pra terminar, termine direito. Sem contatos, sem telefonemas, sem mensagens de saudade, sem nada."

Só queria te pedir para parar de destruir meu telhado, a chuva está chegando e você já foi embora há dias. O prêmio não é valioso em um jogo de trapaças, e meu sorriso, antes tão largo, já apresenta outro semblante quando falo de você. Você me curou, e bem sabe disso, mas agora faz questão de destruir tudo, na mesma proporção, até deixar como encontrou, egoísta que é.
Não estraga o que você deixou de bonito em mim, não pinta de cinza o arco-íris que demorou tanto para surgir, não (im)planta espinho onde só tem espaço para flor.

E eu que dediquei tanto carinho a você, te resgatei na tua pior turbulência, estive ao seu lado quando mais (e quando menos) precisou de alguém, terminei como pó. E você, a quem eu dizia que era "o avesso do avesso do avesso do avesso", não passava de farinha do mesmo saco.